Cruzeiros

Diário de Viagem: Cruzeiro Disney de 7 noites pelo Alaska – dia 1

Hoje vou começar mais um diário de viagem de cruzeiros da Disney, dessa vez, contando do maravilhoso cruzeiro de 7 noites pelo Alaska! Já contei um pouco das principais informações para quem se interessa em planejar um cruzeiro desses nesse outro post aqui, mas continuo achando que um diário de viagem, é a melhor maneira de mostrar um pouquinho dessa experiência. E no fim das contas, é um jeito que eu achei de guardar essa recordação da viagem pra gente também.

Eu já fiz um diário de viagem do nosso cruzeiro de 7 noites no Oeste do Caribe (clique aqui se quiser ler) e também do cruzeiro de 3 noites em Bahamas (clique aqui para ver), além dos vlogs contando dia a dia do cruzeiro de 4 noites em Bahamas que estão lá no nosso canal do YouTube. Então hoje, vou contar sobre o primeiro dia da viagem pelo Alaska que foi até hoje, o mais especial que eu já fiz.

Esse foi só o primeiro dia, o comecinho de uma viagem incrível!

Esse foi só o primeiro dia, o comecinho de uma viagem incrível!

Perfil do cruzeiro

Essa foi uma viagem de família. Estávamos ao todo em 6 pessoas: eu, Felipe, Julia, meus pais e minha irmã. Veja que nosso grupo foi bem variado, incluindo pessoas entre 1,5 até 60 anos. Essa foi uma viagem muito esperada, então tivemos tempo de discutir bastante e se programar bem antes da viagem, o que acho que faz total diferença para viagens como essa, para o Alaska.

A gente estava super curioso para conhecer o Alaska, mas ao mesmo tempo, essas eram as nosas férias em família, e não queríamos perder a chance de simplesmente descansar, curtir a família e claro, eu e o Felipe também queríamos aproveitar a disponibilidade de tanta gente pra cuidar da Julia para fazer coisas que são total ostentação para pais de crianças pequenas: ir ao cinema, SPA, em restaurantes para adultos, etc.. Teve um pouco disso tudo! 🙂

Cruzeiro Disney de 7 noites no Alaska

Dia 1

Aqui vale contar um pouco como foi o nosso pré cruzeiro, que também foi parte da viagem. A gente só embarcaria no navio na segunda-feira, mas o Felipe, Juju e eu chegamos no Canadá sábado de noite para curtir pelo menos o domingo por lá e também para evitar qualquer correria no dia do embarque. Não dá para contar com a sorte e ficar a mercê de atrasos nos vôos em casos como esse, né?

Aliás, se o emprego do Felipe tivesse permitido a gente tirar férias maiores, teria adorado passar pelo menos mais alguns dias em Vancouver, uma cidade super legal e cheia de coisas pra fazer, mas só tivemos o final de semana mesmo, então aproveitamos ao máximo nosso pouco tempo ali.  Deu para conhecer um pouco de Vancouver e já se apaixonar por essa cidade.

Vancouver, já te amo! Volto logo, se Deus quiser!

Vancouver, já te amo! Volto logo, se Deus quiser!

Já meus pais e a Mon (que tinham passado férias em Vancouver há pouco tempo) chegaram só no domingo, no fim do dia. Foi só o tempo de jantarmos juntos e passearmos um pouco pela cidade, antes de voltarmos para o hotel para deixar tudo organizado para o embarque no dia seguinte.

No dia seguinte, na hora de ir para o porto, tivemos uma pequena amostra do que é viajar em família com muita gente (pelo menos com a minha família): todo mundo querendo opinar sobre a melhor forma de chegar no porto e ninguém chegando em um acordo. A verdade é que tínhamos poucas malas e o porto era ali perto, dava pra ir a pé. Então parte do grupo queria ir a pé, parte queria ir em 2 taxis (afinal estávamos em 6 pessoas) e parte queria um taxi só. No fim meu pai enfiou todos nós num taxi, fechou a porta e foi a pé nos encontrar lá.

Chegando no porto, você já deixa as malas com os funcionários da Disney e só vai vê-las de novo no fim da tarde desse primeiro dia. Ou seja, faça uma mala de mão com tudo que você vai precisar até lá.

Chegando no porto, você já deixa as malas com os funcionários da Disney e só vai vê-las de novo no fim da tarde desse primeiro dia. Ou seja, faça uma mala de mão com tudo que você vai precisar até lá.

Chegamos no porto, esperamos meu pai enquanto eu dava uma banana pra Julia e logo fomos fazer o check-in para embarcar. A vista incrível do porto de Vancouver (ainda mais se comparado com Porto Canaveral) já passa aquela maravilhosa primeira impressão, com a mensagem de que este seria um cruzeiro só de paisagens dignas de cartão portal. Sério, acho que eu nunca fiquei tão maravilhada em um porto, porque a vista é simplesmente incrível de qualquer lugar que você olhe. E foi assim durante todo o primeiro dia à bordo.

Área que a Disney monta no porto.

Área que a Disney monta no porto.

Embarcamos e como de costume, fomos direto para a bagunça do Cabana’s (restaurante buffet do navio), como parte do nosso ritual de começo do cruzeiro. A Julia só quis saber de comer pizza porque ficou muito desconfiada depois que comeu um macarrão mais oriental no meu prato (tentei não dar porque tinha certeza que ela não ia gostar, mas ela só acredita vendo, fazer o que). Já a Mon, que estava fazendo o seu primeiro cruzeiro, ainda estava aprendendo a lidar com as inúmeras opções do buffet e claramente não soube combinar os pratos. Ela vai comentar aqui reclamando, mas olhem na foto abaixo se estou errada. Esses doces por acaso combina com esse macarrão?

Limite para as misturebas que você pode fazer no Cabanas: não existe!

Limite para as misturebas que você pode fazer no Cabanas: não existe!

Comemos e fomos deixar as coisas no quarto, que já estava aberto a essa altura. Muita gente não sabe, mas nas primeiras horas de embarque, os quartos ainda não estão abertos, mesmo que você já possa entrar no navio. Nesse caso, você pode aproveitar as áreas comuns, carregando suas coisinhas (pense nisso na hora de fazer sua mala de mão) até que os quartos fiquem prontos (em geral por volta de 13h30) .

Deixamos as coisas no quarto, troquei a roupa da Julia porque tinha empacotado a menina como se a gente já estivesse no Alaska, mas na verdade estava meio calor. Me deixei levar pelo tema do cruzeiro, coitada. Andamos um pouco (ok, eu fui comprar um café!) e aproveitamos para visitar algumas áreas do navio que estavam em open house. Em todos os cruzeiros, há várias áreas que ficam abertas para visita no começo desse primeiro dia, em geral até a hora do treinamento de emergência.

Fomos no berçário, chamado It’s a Small World Nursery, para ver o que a Julia achava. Ela se divertiu brincando ali (enquanto a gente estava por perto né?), mas quem gostou mesmo do passeio foi o Felipe. Ele sentou como quem não queria nada em uma cadeira de balanço do berçário e descobriu que aquela era a cadeira da sua vida. Realmente era bem confortável (ele me fez sentar também) e foi muito difícil para o Felipe ter que se despedir dessa cadeira. Ele até vasculhou cada cantinho dela procurando a marca, mas não encontrou (ainda bem! Não sei onde ele iria enfiar uma cadeira dessas aqui em casa! Não tem espaço pra isso não. haha).

Amor verdadeiro é o que meu marido sentiu por essa cadeira. hahaha

Amor verdadeiro é o que meu marido sentiu por essa cadeira. hahaha

Depois disso, voltamos para o quarto porque a Julia estava exausta. Ela dormiu em 2 minutos no meu colo e assim permaneceu até a hora que a gente precisou sair para o treinamento obrigatório de emergência no navio – a parte mais chata da viagem, mas necessária.

No fim foi bom que por conta do sono da Julia, nós, fomos mais em cima da hora pro treinamento. Chegamos só uns 5 minutos antes de começar então a espera toda não foi tãooo demorada assim. E como a Julia tinha acabado de acordar, ela estava de bom humor (se fosse eu a pessoa que acordaram para ir nesse treinamento, eu não acho que ficaria tão bem humorada quanto ela). 

Olha essa vista! E a gente nem tinha saído do porto ainda!

Olha essa vista! E a gente nem tinha saído do porto ainda!

Saímos de lá e fomos correndo para o deck da piscina para ver o show Adventures Away, que acontece quando o navio sai do porto. A Juju tinha amado o show equivalente no nosso último cruzeiro, então eu estava super empolgada para leva-la para assistir de novo. Corremos tanto pra pegar um bom lugar que fomos os primeiros a chegar lá em cima. Sentamos logo na primeira fileira, completamente esbaforidos porque não temos saúde pra subir tanta escada nessa velocidade, ainda mais com a Julia no colo. O Felipe buscou uma Coca-Cola pra gente se recuperar e ficamos aguardando o show. No fim, a Julia não se impressionou tanto dessa vez. Acho que ela ainda estava com sono e ficou meio assustada com os dançarinos (eu também fiquei para falar a verdade, eles eram meio intensos). Só a Minnie que sempre derrete o coração dela mesmo e ganhou um monte de acenos e beijos.

Durante toda a espera e o show, o Felipe e a Monica ficaram maravilhados com uma mulher que estava vestida com a mesma roupa da Minnie. Essa mulher foi personagem frequente na nossa viagem porque todos os dias ela tava com a mesma roupa da Minnie. Seu nome? Não sabemos, a chamamos de “a nossa amiga”. Ela tinha uns 40 anos, era do Japão e provavelmente recebia um informativo no seu quarto com a roupa que a Minnie usaria no dia seguinte para se vestir de acordo, só pode! Ela era muito entusiasmada e a gente ama ela, ok?

Depois do show, voltamos pro quarto para conhecer nosso stateroom host, ou seja, nosso camareiro. Esta é uma pessoa que acaba sendo muito presente no seu cruzeiro, já que eles estão sempre perto do seu quarto, garantindo que está tudo certinho com as acomodações e tal. O nosso, chamado Jud, trouxe o bercinho da Julia pro quarto logo depois que a gente chegou. Aliás, dica importante: se você vai viajar com bebê, sempre vale pedir o seu bercinho no momento da reserva ou depois por telefone com a Disney porque facilita muito o processo quando você chega no cruzeiro. Eu sempre peço o berço e o lixo especial para as fraldas quando viajo com a Julia.

Também visitamos os clubes infantis para crianças mais velhas que a Julia nesse dia.

Também visitamos os clubes infantis para crianças mais velhas que a Julia nesse dia.

Depois disso, o Felipe foi no show daquela noite (um grupo de cantoras chamado Bervely Bells) e eu fiquei brincando com a Julia pelos corredores, porque uma das coisas que ela mais gosta nos cruzeiros é isso: correr pelos corredores, dando de cara com um monte de crianças no caminho . Esse é um dos muitos pontos que me fazem amar ainda mais os cruzeiros da Disney em comparação com os parques para crianças pequenas como ela: eu nunca poderia deixar a Julia correr tão livremente assim em um parque e nos cruzeiros ela se esbalda!

Voltamos para o quarto e logo o Felipe chegou também. Foi só o tempo de eu tomar banho, me arrumar e já estava na hora da gente descer par o jantar e encontrar minha família.

Jantamos de cara no restaurante mais diferente do Disney Wonder: o Tiana’s Place – restaurante da Tiana (do filme A Princesa e o Sapo). Não sei como demorou tanto pra Disney criar esse restaurante, mas a espera valeu a pena! Ficou muito legal. Adorei o fato da Tiana passar nas mesas, da música tocando, da presença do Louis e tudo o mais. O Louis aliás, fez muito sucesso porque a Julia tem um livro de historinhas sobre jacaré que o Felipe sempre lê pra ela, então os dois tiveram um momento só deles vendo o Louis lá no restaurante. Eu, óbvio, me derreti assistindo.

Pequenos detalhes no Tiana's Place.

Pequenos detalhes no Tiana’s Place.

Não foi só o ambiente, os personagens e a música que fizeram esse jantar legal. A comida também estava ótima – e ainda nem foi o menu especial do Tiana’s! O destaque foi o prato de salmão que meu pai e a minha irmã pediram (pra quem gosta, né? Eu mesma não como peixe), e a torta banoffee (de banana com caramelo e nesse caso, chocolate também) que eu pedi. Possivelmente a melhor banoffee que eu já comi.

Que torta deliciosa!

Que torta deliciosa!

Foi nesse jantar que conhecemos também os nossos garçons e o chefe dos garçons – todos muito divertidos. O Ryan, nosso garçom principal, era super divertido, dava opinião sobre os pratos do cardápio e estava próximo de gabaritar todas as atividades que a Disney oferece no Alaska (ele decidiu que vai ficar nesse navio até fazer todas, depois vai mudar pra outro navio). Ou seja, ele sempre tinha um dica valiosa pra dar, seja sobre um passeio nos portos ou sobre uma sobremesa! O nosso garçom auxiliar era um francês bem novinho, que tinha acabado de começar a trabalhar na Disney e era super simpático.

Salmão que fez sucesso com a parte da família que gosta de peixe.

Salmão que fez sucesso com a parte da família que gosta de peixe.

Depois do jantar, aproveitamos que a fila não estava grande e fomos com a família toda tirar foto com o Mickey com roupa de capitão (é muito fofa essa roupa dele). Na verdade por mais que a gente adore o Mickey, estávamos todos muito mais interessados em ver a cara de encantamento da Julia para ele do que o Mickey em si.

Depois disso, nos despedimos do resto da minha família e fomos eu, Julia e Felipe dar uma volta pelas lojas, outra tradição da nossa família nas noites de cruzeiro. Juju é especialista em achar Mickey em todo o canto em qualquer local (até nas manchas do beagle da família do Fe ela acha um Mickey), então imagina como ela fica elétrica nas lojas. Nossa filha né? Lógico que ela ama tudo da Disney! haha Todas as roupas e brinquedos ela quer ver, tocar e falar o nome do personagem que tá lá. Depois da nossa voltinha pelas lojas, voltamos para o quarto para dar banho na Julia e dormir.

Ela estava tão cansada que nem quis a chupeta. Capotou no meu colo e dormiu direto até o dia seguinte, quando a gente já tinha um café com personagens. Mas isso eu conto no próximo dia.



O Vai Pra Disney é um blog independente e não é um canal mantido pela The Walt Disney Company. As informações contidas nesses sites representam a opinião de seus autores, colaboradores e usuários. Walt Disney World Resort, nomes e logos são marcas registradas da The Walt Disney Company.