Viagem do Leitor

Aniversário em Orlando com a família, por Renan

O Viagem do Leitor de hoje traz o relato do Renan, que viajou em família para comemorar o aniversário da filha e fez um relato caprichado nos detalhes e dicas – tanto pra aproveitar os parques quanto dicas de compras.

Obrigado por compartilhar aqui com a gente, Renan, e espero que gostem da leitura 🙂

Aniversário em Orlando com a família

Por Renan Ferreira

Olá, como o VPD foi fundamental para o sucesso da nossa viagem, resolvi compartilhar um pouco da nossa experiência e ajudar outros leitores, principalmente os de primeira viagem!

Essa viagem foi um presente de aniversário da minha mãe para o aniversário de 10 anos da minha filha, que foi em agosto. Inicialmente iriam só as duas, mas depois de conhecer o VPD e ler tudo que Orlando tinha a oferecer, convenci minha mulher e resolvemos ir também. Assim, fomos em quatro pessoas: Eu, esposa, minha filha e minha mãe.

Iríamos no final de julho para ficar até o meio de agosto, para coincidir com a data exata de aniversário da minha filha, mas por questões de agenda, isso não foi possível. Assim, nossa viagem, foi em outubro, época considerada mais tranquila em relação a outros períodos. Saímos do Brasil no dia 12 de outubro, chegando nos EUA, em Fort Lauderdale, no dia 13 bem de manhã. Escolhemos esse destino pois, no final da viagem, queríamos dar uma passada em Miami, então como teríamos que nos deslocar até Miami mesmo, foi uma boa opção. Ah, e o preço também estava mais em conta do que voar para Orlando ou mesmo Miami!

Todo o planejamento em Orlando foi baseado nas dicas do VPD. Assim, reservei hotel, comprei os ingressos para os parques e da NBA pelo VPD Travel. Fora as dicas para refeições, restaurantes e outras coisas. Fiz o planejamento considerado o grupo de parques, assim, fizemos primeiro todos os da Disney, depois SeaWorld e, por fim, da Universal. E isso foi intencional, já que os parques da Disney eram os maiores e que demandariam de mais tempo, resolvemos começar logo com eles, pois sabíamos que ao final da viagem o pique não seria o mesmo.

Eu baixei o aplicativo da Disney, com mais ou menos 60 dias de antecedência da viagem. Assim, eu já ia vendo a estimativa das filas, em que horário determinada atração tinha mais ou menos filas e isso foi fundamental para o sucesso da nossa programação. Isso e a dica de ouro de chegar cedo, para pegar o parque abrindo. Sério, isso adianta muito nossa vida. Acho que 30 minutos que você chega depois no parque, viram duas horas a mais no final do dia (por conta do tempo de fila adicional que vai pegar).

1º Dia – CHEGADA

Chegamos em FLL cedinho, passamos pela imigração (não fizeram nenhuma pergunta, nem o motivo da viagem) e fomos até o estacionamento da Hertz, que fica fora do aeroporto. Lá foi bem tranquilo, não tentaram nos empurrar nada, só perguntaram se queríamos incluir um tanque de combustível na locação, que eu não quis. Saímos e fomos direto a Orlando, chegando por volta do meio dia. Almoçamos no The Boathouse, em Disney Springs e, depois, trocamos nossos ingressos no Guest Relations.

Saímos e fomos dar entrada no hotel (Rosen Inn, na International Drive, 7600). Cogitamos ficar os primeiros dias em algum hotel da Disney, mas preferimos ficar fora, pois só dormiríamos no hotel e, devido as mudanças de cobrança de estacionamento do hotel, fazendo as contas, achamos melhor empregar essa diferença de preços (que ficaria até bem considerável) em outras coisas. Enfim, após o Check-in, descansamos um pouco e, depois, fomos ao Walmart da Turkey Road e, a noite, voltamos a Disney Springs para jantar no T-Rex, que além de muito bonito tem uma boa comida também.

2º Dia – EPCOT

Reservamos o café no Akershus (escolha da minha filha) no primeiro horário, 08:00, sendo que o parque só abriria ao público às 09:00, o que ajudou bastante com o resto da programação do dia. Após o café, começamos as atrações, com Fastpass+ na Mission Space, SpaceShip Earth e Soarin. A partir das 12:30, fizemos a World Showcase, iniciando pelo Canadá. Comemos e/ou bebemos em quase todos os pavilhões: cerveja no Canadá, Fish & Chips no Reino Unido, sorvete na França, Kebab no Marrocos, pizza no Via Napoli, doce na Alemanha, e Tacos e Margarita no México (de onde vimos os fogos), além do café da manhã no pavilhão da Noruega.

3º Dia – HOLLYWOOD STUDIOS

Comemos algo rápido no hotel mesmo e fomos para o parque. Chegamos no horário que estava abrindo, 09:00. Entramos e fomos direto para a Rock ’n’ Roller Coaster, onde pegamos 5 minutos de fila. Depois usamos um FP+ na Hollywood Tower. Depois dessas atrações voltamos à Sunset e Hollywood Boulevard para vermos as lojas com mais calma. Ficamos ali até as 10:30, pois iríamos ver o Show da Bela e Fera que fica ali perto da Hollywood Tower. Nesse meio tempo deu pra ver a Marcha da Primeira Ordem, que foi bem legal. Pouco depois das 10:30 nos dirigimos para o show Bela e Fera.

Olhei o aplicativo Disney e a fila para a Rock ‘n’ Roller Coaster estava em 90 minutos, rsrs. Então, a dica é chegar cedo e fazer as atrações mais concorridas primeiro. Deixa para observar o parque depois. De lá andamos pela região da Animation Courtyard, mas não vimos o show da pequena sereia nem paramos para fotos com personagens. Seguimos em direção à Echo Lake para fazer a Star Tours, com FP+.

De lá fomos almoçar no ABC Commissary (a intenção era o SCI-FI, mas demorei muito para fazer a reserva e, quando tentei, algo em torno de 40/45 dias antes da viagem, não havia disponibilidade). Após, vimos o show do Indiana Jones e o filminho dos Muppets. Mesmo não sendo fã dos personagens, achei o filme bem legal e com bons efeitos. Para finalizar a programação do roteiro, fomos à Toy Story Land. Chegamos por volta das 14:30 e tínhamos FP na Toy Story Mania, às 15:30). Resolvemos encarar a fila da Slinky Dog Dash, que estava em 60 minutos, sob um sol muito forte. Depois, fizemos a Toy Story Mania com FP+ e, depois, a Alien Saucers (fila de 25 min). Acabamos tudo que tínhamos planejado antes das 18:00 horas. Como queríamos ver o show de encerramento, ficamos observando as lojas, o parque, enfim, matando tempo até dar o horário do show.

4ª Dia – ANIMAL KINGDOM

Aqui marquei o Café no Tusker House e consegui no primeiro horário, às 08:00, um dia antes de embarcar! Eu tinha reservado antes, mas para às 08:40 e fiquei insistindo até que conseguir mudar para as 08:00.

Terminamos o café pouco antes das 09:00 e fomos para a fila do Safari, que fica ali perto, tinham 10 ou 15 pessoas na nossa frente, pois o parque não tinha aberto para o público. Em coisa de 2 ou 3 minutos, quando o parque já tinha aberto, veio uma multidão atrás da gente. Se tivéssemos saído 5 minutos depois do café, teriam, no mínimo, umas 200 pessoas na nossa frente. No safari não conseguimos pegar os leões acordados. Em um momento, a leoa acordou, o que deixou todos animados, mas só para deitar do outro lado e voltar a dormir, rsrs.

Saímos do Safari, passando pela trilha dos gorilas, que deixou minha mulher bastante emocionada (ela gosta muito de natureza e animais) e seguimos para o show do Rei Leão, às 10, que é ali naquela área. Após o show, fomos para a região da ASIA, iniciando com o Kali River, com FP+, depois a trilha Maharajah e a montanha russa Everest, também com FP+.

Saímos de lá para ir até a DINOLAND, vimos o musical do Nemo (meio chatinho…) e as outras atrações da área. Saímos às 14 horas da área e fomos almoçar no Yak & Yeti. Comida excelente e farta. Dá para dividir um prato, caso a fome não seja muito grande. Saímos em direção à Discovery Island, tiramos algumas fotos, vimos o filminho It’s tough to be a bug (gostamos bastante) e seguimos para a área de PANDORA. Eu esperava uma fila de, pelo menos, uma hora para o Avatar, mas chegando lá, o aplicativo marcava apenas 35 minutos, e levou esse tempo mesmo! Já tinha lido que seria a melhor atração, que seria incrível e tal, mas, mesmo assim, saí de lá maravilhado e pensando como é que eles conseguiram fazer aquilo. A imersão é muito grande! Minha mulher que estava cética antes, também saiu de lá maravilhada. De lá fizemos o Na’vi River, que tinha espera de 30 minutos.

Às 17 horas tínhamos acabado tudo que planejamos e fomos embora descansar um pouco, sem ver o show de encerramento mesmo, pois queríamos descansar um pouco. Bom, minha mulher, filha e mãe ficaram descansando. Eu fui visitar lojas, andei pela International Drive, fui ao Publix, jantei no Perkins (que comida gostosa!) e só voltei ao hotel perto da meia noite.

5º Dia – MAGIC KINGDOM

Saímos bem cedo do hotel, pois queríamos chegar às 08:00 no parque. Chegamos por volta das 07:45 no estacionamento e fomos pegar a balsa, que começou a operar às 08:00.

Chegando no parque já era possível ver parte da decoração de Halloween e o castelo ao fundo. Nesse momento a gente pensa: “É, realmente estou aqui. Estou vendo o castelo!”.

Ficamos vendo algumas lojas, tirando fotos e por volta de 08:40 nos posicionamentos mais à frente, para podermos ir direto na Seven Dwarfs Mine Train (que não conseguimos FP+), assim que o acesso às atrações estivesse liberado. Quando chegamos, às 08:40, tinham bem poucas pessoas, mas chegando perto das 09:00 já havia bastante gente ali e, quando foi liberado o acesso, uma “mini” correria começou.

Chegamos na fila com tempo de espera de 30 minutos, o que achamos bem razoável. O plano era fazer toda essa área do parque (Fantasyland) de uma vez, então fomos ao Peter Pan’s Flight e Phillarmagic, e, na nossa programação, iríamos na sequência ao Mad Tea Party e Barnstorner. Porém, estávamos bem mais perto da Haunted Mansion do que as outras atrações da Fantasyland e como essa atração estava com fila pequena (25 minutos) resolvermos encará-la primeiro. Assim o fizemos e só então voltamos e concluímos a Fantasyland, acabando por volta do meio dia.

Como tínhamos FP+ para duas atrações da Frontierland (Big Thunder Mountain e Splash Mountain), paramos para comer no Columbia Harbor House, que seria no caminho para essa área. Gostamos bastante, pois agradou a todos: comemos sanduíche de atum, salmão, salada com camarão e frango frito. Bem democrático.

A ideia era sair e comer o tão famoso Funnel Cake, mas como já estávamos no horário do primeiro FP+ (Big Thunder) saímos e fizemos a atração primeiro. A outra atração com FP+ já seria logo na sequência (Splash), mas resolvemos esperar a parada, que seria às 14 horas. Como ainda levaria alguns minutos para começar, fomos até a Sleepy Hollow para saborear o Funnel Cake. Como o doce é grande, e estávamos sem fome, pedimos apenas um, para comer enquanto víamos a parada, mas deveríamos ter pedido mais, rsrs. Minha mulher adorou o doce. Ela diz até hoje que foi a melhor coisa que ela comeu lá e que comeria um inteiro sozinha! Mas é muito bom mesmo (valeu pela dica, VPD!)

Enfim, depois da parada, fomos na Splash, passamos pela Adventureland e enrolamos um pouco ali, pois o próximo FP, seria as 18:00, na Space Mountain, do outro lado do parque. Aproveitamos e compramos algumas coisas, andamos com calma, voltamos ao castelo para tirar fotos e ver tudo sem pressa, vimos algumas apresentações ali, tomamos o sorvete de pia do Mickey e descansamos um pouco.

Por volta das 17 horas, nos dirigimos à Tomorrowland. Conseguimos fazer todas as atrações principais, só não fizemos o Transit Authority Peoplemover, por opção mesmo. Acabamos a área por volta das 20 horas e fomos para a frente do castelo para aguardar o show de encerramento (Happily Ever After). Eu achava que conseguiríamos ficar ali perto da praça do Walt com o Mickey, mas já havia muita gente ali. Ficamos um pouco à frente da Ice Cream Parlor, mas conseguimos ver tudo.

O show é realmente espetacular, muito bem feito. Após esse primeiro show, muita gente foi embora, mas ainda permanecemos para ver o Once Upon a Time e, aí sim, conseguimos ficar mais perto do castelo (mas não tão perto para não atrapalhar a visão geral). Esse segundo show também é muito bonito, não tanto quanto o Happily, mas é bom.

Saímos do parque por volta das 10:20 e planejamos voltar pelo Monorail, que estava com uma fila de 40 minutos para embarque. O Ferry Boat estava bem mais rápido, mas como já tínhamos usado de manhã, ficamos ali para esperar o Monorail. Nesse dia, chegamos ao hotel por volta de meia noite, pois paramos no caminho para pegar uns hambúrgueres no Shake Shack. Ainda bem que no outro dia era um dia livre (compras), mas que poderíamos acordar mais tarde e sem a correria de parque, pois estávamos exaustos!

6º Dia – LIVRE/COMPRAS

Acordamos relativamente cedo (07:30) e fomos tomar um café no Denny’s, que era do lado do hotel.

O primeiro ponto de compras foi o Value Center, que fica bem perto do Premium Outlet da International Drive. É como se fosse um “mini” outlet, com um estacionamento central e algumas lojas ao redor, como Dollar Tree, Five Below, Ross, TJ Maxx, entre outras. Então, é o lugar ideal para economizar umas doletas. A Ross ali estava bem tranquila, só por volta de 10:30 que tinha um pouco mais de gente, mas mesmo assim, não ficou cheia. Como ficamos na Ross até a hora do almoço, resolvemos sair para almoçar e voltar depois. Mas, antes, passamos na Dollar Tree, mas não compramos quase nada, pois não tinha muita coisa interessante.

O plano era visitar o Outlet Marketplace (que é da mesma rede dos Premium Outlet) depois do almoço, que fica ao lado do Value Center, mas mudamos e resolvemos ir direto para o Premium mesmo. Eu não fui com a ideia de comprar muita coisa, a intenção da viagem não era essa. Não ERA, até eu ver os preços… tem bastante coisa com preço BEM inferior ao Brasil (não tudo, claro). Como fizemos a lição de casa (imprimir cupons e fazer o cadastro para ganhar o passaporte de descontos) conseguimos economizar ainda um pouco mais. Ficamos ali até o começo da noite e voltamos para o hotel. Deixamos as compras e fomos jantar no Olive Garden. Eu sabia que o pãozinho de cortesia era delicioso, mas e a salada (também de cortesia)? Eu, que não sou chegado em salada, achei excelente. Já os pratos estavam bons, mas eu esperava mais.

7º Dia – SEAWORLD

Nesse dia o parque abria as 10 horas. Como já tinha lido que é um parque em que é possível curtir todas as atrações com folga, resolvemos não chegar lá tãããooo cedo. Acordamos, tomamos café no Perkins e fomos para o parque. Entramos às 10:20 e ainda estava tranquilo. Fomos direto para a Manta, pois fica relativamente perto da entrada e minha filha estava super ansiosa por um brinquedo mais radical. Pegamos coisa de 20/25 minutos de fila. O legal é que na fila a gente passa por alguns aquários, com peixes, raias e estrelas do mar!

De lá, seguimos para o Journey to Atlantis e, depois, para a área Antarctica para ver os pinguins. Pegamos a fila para ver a atração inteira e não apenas os animais e passei bastante frio, ainda mais porque estávamos molhados devido a atração anterior. Depois andamos na Kraken, que é bem legal também e fomos ver o show das baleias (One Ocean). Apesar de muita gente não concordar com o show, eu achei bem legal e senti muito respeito e carinho por parte dos tratadores em relação aos animais.

Depois do show fizemos uma pausa para almoço e fomos para a Infinity Falls, que tinha inaugurado há poucas semanas. Acho que é a melhor atração desse estilo entre todas as outras de Orlando! Achei mais “radical”, mas a gente se molha muito, bem mais que a Kali River do Animal Kingdom. Depois dessa fomos ver outro show aquático, agora dos golfinhos, o Dolphin Days. Achei esse show bem mais legal que o das orcas, mas tive a mesma impressão: um carinho muito grande por parte dos tratadores para com os animais. Depois, ficamos vendo alguns animais e fomos embora por volta das 16:30.

A noite, tínhamos ingressos para o jogo de basquete da NBA, Orlando Magic x Charlotte Hornets. Infelizmente não demos sorte e o Orlando perdeu!

O jogo em si é muito legal, e rolam várias atividades interativas entre os intervalos e paradas técnicas. Em dado momento mascote foi até nossa seção e passou na nossa frente, entre as cadeiras.

8º Dia – BUSCH GARDENS

Mesmo o parque abrindo as 10 horas, planejamos acordar cedo, visto que o parque fica em outra cidade. A ideia inicial era tomar café no Sanaa, pois ficaria no caminho até Tampa. Mas, na hora, decidimos ir direto para Tampa para não chegarmos muito tarde. Entramos no parque por volta das 10:30 e já havia certo movimento lá.

Fomos direto para a Cheetah Hunt, pois era mais próximo da entrada e vimos que era uma das mais concorridas, então queríamos evitar filas depois. Mesmo não chegando tão tarde, pegamos fila de 45 minutos na atração. Apesar de não haver loops foi uma das mais legais que andamos. Saímos e fomos para a Cobra’s Course, onde pegamos mais 50 minutos de fila.

Nesse momento achei que não conseguir ir em todas as atrações planejadas, pois achei que pegaríamos filas assim em todas as atrações. Mas não! Essas duas atrações foram as únicas em que pegamos filas grandes. Em todas as outras o tempo de espera ficava entre 5 e 10 minutos. Em algumas bem famosas, como a Sheikra e a Kumba, andamos mais de uma vez, porque praticamente não havia fila. Enfim, deu para carimbar todas as atrações radicais e as nem tão radicais com tempo e ainda conseguimos andar no trem e dar uma volta no Safari.

9º Dia – AQUATICA

Esse dia seria previsto, inicialmente, para compras/dia livre, mas como acabamos comprando tudo o que queríamos antes e tínhamos ingresso de cortesia para o Aquatica (porque compramos o Busch Gardens e SeaWorld) resolvemos curtir o dia “livre” nesse parque.

Bom, é um parque aquático, com tobogãs, rios de correnteza, piscinas… Nada demais. Saímos cedo, por volta das 17 horas. Mas, como bons brasileiros que somos, ao invés de ficarmos no hotel, mudamos mais um pouquinho nosso dia e fizemos um pouco da programação original: compras, agora no Outlet MarketPlace. Esse lugar não é grande, deve ter coisa de 12 lojas (Nike, Levi’s, Tommy, Under Armour, American Eagle, CK e outras), mas todas com enormes seções de Clearence e muitos descontos, vale a pena conhecer.

10º Dia – VOLCANO BAY

Bom, aqui começamos o último grupo de parques que havíamos planejado. Esse parque também abriria às 10 horas, então dava para dormir e descansar um pouquinho mais. Fomos para o parque por volta das 09:40, mas só conseguimos entrar mesmo 10:20. Primeiro porque erramos um pouco o caminho. Depois, o processo de estacionar, pegar ônibus, revista, etc. foi um pouquinho mais demorado do que imaginamos. Mas como era segunda-feira e chegamos relativamente cedo, pegamos o parque ainda vazio.

Chegando, fomos alugar um locker para deixar os pertences. Após fomos a Krakatau e agendamos nosso lugar, pegando “fila” de 20 min. Aproveitamos e demos algumas voltas ali por perto até dar nosso horário. Quando a pulseira vibrou fomos para a atração e tinha uma fila de coisa de 5 minutos. Muito interessante essa “montanha russa”. Fico imaginando como eles conseguem fazer aquela boia deslizar e subir tão facilmente… Enfim, depois dessa atração, fomos agendando outras ali por perto como a Ko’okiri (que só eu tive coragem de ir) e a Kala e Ta Nui.

O grande vulcão, que é o marco central do parque aquático Volcano Bay

Volcano Bay é cheio de atrações radicais e tecnologia

Na Ko’okiri minha pulseira parou de funcionar! Fui reservar o lugar na fila e não funcionava. Sorte que tinha uma funcionária ali perto que conseguiu “reprogramar” minha pulseira. Esse parque aquático é bem diferente de outros em que estamos acostumados a ir. Apesar de piscinas, tobogãs e rios de corredeira, ele é mais hi-tech. Não que seja melhor que outros, mas a pulseira e algumas atrações diferentes, o tornam mais interessante para se conhecer. Como fomos na segunda quinzena de outubro, já deu pra perceber a mudança do clima: de manhã, já dava pra sentir um ventinho e no final da tarde, após as 16:30/17:00, também já não estava aquele calor todo, mas não chegamos a sentir frio.

11º e 12º Dia – UNIVERSAL STUDIOS e ISLANDS OF ADVENTURE

Para os dois parques, seguimos a dica do VPD de fazer o parque no sentido anti-horário e regra de ouro: chegar cedo, na abertura do parque. E deu bastante certo: pegamos filas bem pequenas (no geral de 5 a 10 minutos e alguns sem fila). Fizemos o passeio pelo Expresso de Hogwarts, nos dois sentidos, andamos bastante por Hogsmeade e no Beco Diagonal, comemos no Três Vassouras e Caldeirão Furado e andamos em todas as atrações dos dois parque (exceto os da área infantil: Woody Woodpecker’s KidZone e Seuss Landing) e conseguimos finalizar os parques por volta das 17 horas. Depois dos parques, passamos no Hard Rock Café e na “Fábrica de Chocolates”.

13/14º Dia – MIAMI / RETORNO AO BRASIL

A viagem estava chegando ao fim. Mas, pra fechar com chave de ouro, resolvemos passar os últimos dois dias em Miami Beach. Ficamos hospedados na Ocean Drive, que é a avenida em frente ao mar. Ao contrário de Orlando, aqui era muito mais prático andar a pé mesmo, já que quase tudo fica perto: a praia, a Española Way e a Lincoln Road. Assim, deixamos o carro em um estacionamento bem próximo ao hotel (mas bem seguro) e só o retiramos quando fomos embora.

Bom, essa foi a nossa viagem. O relato ficou grande pois eu queria dar maiores detalhes do roteiro que fizemos para ajudar àqueles que estão indo para Orlando pela primeira vez.

E acredite quando dizem que Orlando é viciante: já estou pensando na minha segunda viagem, que quero realizar ainda em 2019.

Por fim, sem o VPD nossa viagem não teria sido tão incrível assim. Mais uma vez, obrigado Renata, Felipe, Bia, Henrique e demais membros. O trabalho de vocês é incrível!

Se você, assim como o Renan, tiver histórias para contar sobre sua viagem para Orlando, ou quiser registrar como foi a refeição em algum restaurante da cidade, compartilhar o seu roteiro ou ainda relatar como foi a estadia no hotel escolhido, nos escreva mandando o seu texto, fotos e vídeos e eles poderão ser publicados aqui no VPD. O endereço é viagemdoleitor@vaipradisney.com (lembrem-se que dúvidas não serão respondidas por esse e-mail, por favor use as caixas de comentários do site).



O Vai Pra Disney é um blog independente e não é um canal mantido pela The Walt Disney Company. As informações contidas nesses sites representam a opinião de seus autores, colaboradores e usuários. Walt Disney World Resort, nomes e logos são marcas registradas da The Walt Disney Company.