VPD Orlando - Vai Pra Disney
Cruzeiros

Dicas para viajar sozinho de cruzeiro

Deixe os palpites e os medos pra trás, coragem!

Não é todo mundo que tem vontade de fazer uma viagem de navio. Muita gente tem medo de enjoar, de ficar entediado ou de não gostar da experiência. Assim como a Rê, eu sou apaixonada pelos cruzeiros da Disney e me vi louca para fazer o cruzeiro pelo Alasca, apesar de não ter ninguém disposto a me acompanhar.

O próprio perfil da viagem de cruzeiro, principalmente o da Disney, por si só já nos traz na cabeça: famílias, crianças e casais. Não bastasse isso, que já adianto, é puro mito, o que mais ouvi antes da viagem foi: “Nossa, mas você vai sozinha?”.

Ninguém quis me acompanhar, então vivi esse momento sozinha!

Não bastasse isso, senti muita insegurança (muita mesmo!), uma super ansiedade, pavor de ser julgada, quase desisti diversas vezes, mas depois de muito pensar e de conversar com a Re, o Fe e o Hike, me senti encorajada a me aventurar nessa viagem. Apoio é importante, converse com quem você ama e confia, leia sobre o assunto e deixe o medo pra trás.

Então tomei coragem de fazer um cruzeiro da Disney sozinha, e para a minha surpresa, o que eu mais ouvi durante a viagem foi bem diferente dos palpiteiros de plantão: “Nossa, você veio sozinha? Que delícia!”, algo me deixou muito mais tranquila pra curtir minhas férias no navio.

Usei muitas das dicas dadas pela Re e pelo Fe no post com dicas para viajar sozinho para Orlando (clique aqui para ler), adaptando-as para a realidade de um cruzeiro, mas descobri algumas coisas novas também. Como aqui tudo que pode ser útil para a experiência de outras pessoas merece um post, tentei reunir algumas dicas que foram úteis durante o planejamento e na viagem em si para dividir com vocês.

Independente de viajar sozinho ou em grupo, se quiser contar com a nossa ajuda para planejar seu cruzeiro, aqui no VPD Travel você encontra os valores para todos os as datas disponíveis. Vamos adorar ajudar com cada detalhe!

Escolha a cabine de acordo com seu perfil

O cruzeiro da Disney tem muitas opções de cabines e acho essa uma das partes mais gostosas do planejamento da viagem. Não vou entrar no mérito de tipos de cabine e qual a melhor, pois já temos um post recheado de dicas para ajudar nessa escolha (veja aqui).

Se a escolha da cabine já é importante viajando em grupo, estando sozinha então eu considero ainda mais, porque a cabine vai ser seu porto seguro da viagem, onde você precisa estar confortável. No meu caso, escolhi uma cabine interna por motivos financeiros mesmo, e esse é outro ponto (mas ponto negativo) de viajar sozinho: não ter com quem dividir os gastos. Infelizmente o preço de uma cabine para um adulto é pouca coisa mais em conta que de uma cabine para 2 adultos.

Não tenho nada contra as cabines internas, já tinha feito outros cruzeiros nesse tipo de cabine, além do fato de que janelas estão por toda a parte nos navios, desde corredores até nos bares e cafés, mas eu vinha sonhando com a cabine com janela, mesmo depois de tudo pago e confirmado com a Disney Cruise Line.

Há muitas janelas espalhadas pelas áreas comuns dos navios da Disney!

Meu perfil de viajante é de uma pessoa que curte a cabine, curte ficar vendo a vista, lendo, tomando um café e olhando a paisagem. Eu já sabia que ia sim passar tempo na cabine, pois temia não só o frio, o vento gelado e a lotação nas áreas comuns e com vista, mas o fato de estar sozinha e às vezes querer estar de pijama e pernas pro ar. Depois de muito pesquisar, entendi mais sobre o upgrade de cabines no porto, pagando um valor menor do que você pagaria se trocasse a cabine antecipadamente com a Disney.

Para não criar expectativas em ninguém, já aviso de antemão, não existe nenhuma garantia de que chegando no porto você vai conseguir fazer um upgrade de cabine, vai depender da disponibilidade. Se o cruzeiro tiver sido totalmente vendido, nenhuma cabine vai estar disponível para upgrade, mas, se você estiver viajando em baixa temporada, como era meu caso, pode ser que encontre algumas opções. Outro ponto é que o upgrade não é uma pechincha, mas vou falar de valores mais abaixo.

O local para se informar sobre o upgrade não é sinalizado, no meu caso, precisei perguntar para quatro funcionários diferentes para achar onde ir e, depois de alguns desencontros, achei uma fila no último guichê de check-in, num local separado, ao lado do destinado para os clientes do concierge, a área “VIP” do navio. Isso vai de cada porto, estou me referindo ao porto de Vancouver, então se estiver em um diferente, se informe e não desista, alguém vai saber te informar.

Ali vi que umas quatro famílias faziam fila atrás de upgrade, mas fiquei de ouvido nas conversas e entendi que a maioria estava querendo migrar de cabines com varanda para cabines concierge! Ufa, ponto pra mim.

Na minha vez, falei que meu interesse era apenas por cabines com janela e duas opções diferentes estavam disponíveis. O valor não foi super baixo, cerca de US$700 a mais para migrar pra uma cabine com janela do tipo 9C, ou seja, no deck 02, com janela grande. Eu vinha acompanhando os preços e migrar pra essa mesma cabine antes do embarque me custaria em torno de US$1.400. Uma bela economia de 50%!

Minha companheira e meu porto seguro na viagem, a cabine!

Eu conheço bem das cabines e navios e sei que o deck 02, em especial nos navios menores como é o caso do que eu estava, pode ser um deck barulhento. De fato, em algumas noites, ouvi sim barulho do motor e umas “tremidas” no teto, mas eu estava tão feliz de estar ali que pra mim não foi incômodo. Se você se incomoda, já leve isso em consideração e peça o upgrade ou escolha antecipadamente sua cabine em decks medianos ou altos.

Sou defensora de que a melhor cabine é a que cabe no seu orçamento, mas, como essa era uma viagem especial em que a cabine seria sim um diferencial e meu lugar seguro de todos os dias, valeu investir esse valor a mais. Entenda seu perfil, seu orçamento e planeje de acordo com o que for melhor pra você!

Atividades e locais só para adultos

Uma amiga me falou uma vez que tem vontade de fazer o cruzeiro da Disney, mas não vai porque “vai ter muita criança”. Vai ter mesmo muitas famílias com muitas crianças, mas os navios são grandes e tem lugares e atividades para todo mundo.

Até parece que a Disney não ia pensar nisso, né? Os navios têm áreas destinadas apenas para adultos e menores de 18 anos não são permitidos ali. Quando falo áreas, quero frisar que há uma piscina só para adultos e jacuzzis só para adultos, além de muitas espreguiçadeiras, locais de descanso, um café, diversos bares que também viram baladas e onde acontecem shows e atividades como karaokê, apresentação de DJ’s, entre outros. 

Todos os navios têm um espaço ao ar livre reservado apenas para adultos.

O Spa do navio é uma área também restrita a adultos, assim como a academia e os 2 restaurantes pagos à parte, o Palo (presente nos 4 navios da Disney) e o Remy (presente apenas no Disney Dream e Fantasy). Atividades de degustação de bebidas e aulas de mixologia, por motivos óbvios, também são exclusivas para adultos.

Um dos bares do Disney Magic, área reservada apenas para adultos.

Como se não bastasse, em Castaway Cay, ilha da Disney nas Bahamas, há uma praia exclusiva para adultos, com um bar e um restaurante exclusivos para os visitantes.

No meu cruzeiro sozinha, praticamente só fiquei na áreas destinadas aos adultos e posso afirmar que encontrei muita paz, tranquilidade e silêncio, algo que valorizo muito nas férias. É claro que nas áreas comuns vão ter crianças, gritaria, bagunça, mas você pode se servir da comida do buffet e ir comer em uma das várias mesas das sacadas, por exemplo. Escolha um lugar tranquilo para as suas atividades e pronto!

Use o atendimento da Disney Cruise a seu favor

Mesmo quem nunca viajou de navio, mas conhece o atendimento da Disney nos parques e hotéis, sabe o carinho e atenção dado a cada visitante. Como se fosse possível, esse carinho e dedicação em proporcionar a melhor experiência possível é ainda maior nos navios. Realmente dá pra se sentir “mimado” a bordo dos navios da Disney.

Antes do embarque, algumas solicitações podem ser feitas para tornar a sua viagem mais especial e com a sua cara, como solicitar uma mesa privativa nos jantares rotacionais e que pelo menos um dos garçons fale Português. Eles não conseguem garantir, mas se esforçam para atender todo mundo.

Aqui também vale a dica pra quem não quer sentar sozinho e quer conhecer gente no cruzeiro: nesse caso basta não solicitar a tal mesa privativa e você automaticamente será incluído em uma mesa com uma ou mais famílias nos jantares rotacionais. Na verdade, essa é a regra dos jantares rotacionais: as mesas são compartilhadas entre famílias, a mesa privativa é que é a solicitação “diferente”.

Introvertida que sou, a primeira coisa que fiz após confirmar minha viagem foi ligar e pedir uma mesa só pra mim, já que estava obstinada a ler os mil livros que levaria na viagem, ou me entreter de qualquer outra forma que não fosse batendo papo com estranhos.

Na primeira noite dos jantares rotacionais, eu estava super tensa com a questão da mesa, já sofrendo antecipadamente de pensar na interação com desconhecidos por tanto tempo, pensando se ia abrir mão dos jantares e pedir serviço de quarto toda noite (drama!). 

Cheguei na minha mesa designada e vi 4 pratos montados, com talheres e tudo o mais, pensei com tristeza “é isso, não deu certo minha solicitação” e sentei. Mas, para minha alegria o garçom logo veio me perguntar se eu estava esperando por mais pessoas, e eu disse que não, que estava sozinha, e ele rapidamente retirou os outros 3 jogos de pratos e veio se apresentar e  trazer o menu.

Minha mesa privativa dos jantares rotacionais!

Respirei aliviada, escolhi meus pratos e peguei o livro pra me isolar novamente, quando volta o bendito garçom falando “aquela família está indignada que você está sozinha, estão te convidando pra sentar com eles”. Meu coração derreteu com a solidariedade deles, que olharam pra mim sorrindo e acenando, mas apenas sorri de volta e expliquei pra ele que estava ali pra ter um tempo meu, portanto agradecia o convite mas ia ficar sozinha mesmo.

Morri de vergonha de falar isso, mas achei mais fácil do que ficar sofrendo pelas próximas 6 noites! Minha dica aqui é: faça suas solicitações e não tenha vergonha de negar companhia se não a quiser, o momento é seu, a viagem é sua, faça tudo de acordo com o seu gosto!

No café da manhã e almoço não tem segredo, as refeições são no estilo buffet, então você tem mais flexibilidade de horários e liberdade pra comer onde e com quem quiser.

Se você não gostou de alguma coisa no atendimento, ou por exemplo, não pediu mesa privativa e se arrependeu, ou mesmo está com alguma dúvida, fale com o Guest Services! Quando estamos sozinhos a gente tende a ter mais inseguranças mesmo, mas eles podem ajudar e são super solícitos e atenciosos. Eu apelei pra eles nas dúvidas sobre os passeios e fiquei mais tranquila para aproveitar ao máximo.

Se planeje, mas tenha flexibilidade para mudar os planos se quiser

Isso foi algo que me encantou em viajar sozinha: fazer só o que eu estava afim e quando estava afim. O cruzeiro é uma viagem mais previsível, você já sabe quais serão os dias em alto-mar, os dias em cada um dos portos de parada, e por serem concorridas, você  precisa agendar algumas atividades com antecedência. Mesmo assim dá pra improvisar os planos e respeitar suas vontades.

Os jantares rotacionais, por exemplo, assim como os shows que acontecem todas as noites, tem horário marcado. Mas você não precisa ver todos os shows se não quiser, e não precisa jantar no restaurante a la carte se não quiser, é uma escolha sua. 

Você consegue checar o cardápio do jantar pelo aplicativo da Disney Cruise antecipadamente, e vi que numa das noites o jantar não tinha nada que me atraísse muito, então decidi pular o jantar rotacional essa noite. Sentei no Promenade Lounge, um dos bares do navio, pedi uma taça de vinho e os petiscos disponíveis e passei horas ali na janela lendo e vendo o mar (e dei sorte, pois vi muitas baleias nesse dia!).

Depois ainda subi pro Cove Cave, um café que fica na área dos adultos, que também serve petiscos a noite, comi mais um pouquinho tomando um chá gelado e, não contente, fui pra cabine e terminei a noite com serviço de quarto (pizza!), sorvete do Mickey e filme na TV! Lembrando que a maioria dos itens do serviço de quarto estão incluídos no valor do cruzeiro, exceto bebidas enlatadas e alguns itens industrializados.

Room service com direito a sorvete do Mickey.

Não é todo mundo que sabe, mas sempre que você pede uma bebida em um dos bares/cafés do navio, pode pedir também uns petiscos para acompanhar. A bebida é paga a parte, mas os petiscos não! Claro, são coisas simples, não é um cardápio de petiscos, mas no Cove Cafe, por exemplo, depois das 18h você consegue comer queijos, presunto cru, azeitonas entre outras comidinhas. Durante o dia ali você encontra também alguns muffins, cupcakes, croissants, as opções variam.

Os deliciosos petiscos do Cove Cafe, sem custo adicional!

Como essas comidinhas geralmente ficam numa “vitrine”, dá uma sensação de que são cobradas a parte, mas é só pedir o que quiser comer pro funcionário que estiver te atendendo. Na maior parte dos casos, ao pedir um café ou drink, o próprio garçom vai te oferecer um acompanhamento.

No canto direito a tal da vitrine no Cove Cafe.

Mas não foi só no quesito comida não, nos passeios nos portos também vale fazer o que der na cabeça! É legal ver tudo que cada cidade pode oferecer, mas muita coisa pode parecer mais legal na teoria do que na prática, então se achar que aquele restaurante que você viu pela internet não é lá essas coisas ao vivo, troque, explore, entre em cada lojinha, prove as comidas, faça no seu tempo e do seu jeito, só não esqueça de um ponto super importante, que vou explicar a seguir: segurança.

Segurança nos portos de parada

Já falei antes sobre a importância de pesquisar antecipadamente o que fazer no cruzeiro, seja a bordo ou nos portos. A bordo do navio, pelo menos na Disney Cruise Line, não enxergo a questão de segurança como um problema, e posso afirmar que senti muita tranquilidade estando sozinha.

Já nos portos de parada, por mais que sejam portos selecionados pela Disney, é preciso ter em mente que você estará em um país diferente, que tem uma cultura diferente, e que a Disney não tem controle sobre o que acontece ali, então se informe sempre e mantenha os padrões de atenção com caminhos e com objetos pessoais que você teria em qualquer lugar.

Nos portos de parada, vale ter mais atenção!

Leia depoimentos de outras pessoas que já estiveram nos destinos e nas recomendações oficiais do local, alguns destinos podem ser mais tranquilos que outros. Nas cidades de parada de cruzeiros como os pela Europa e esse que fiz pelo Alasca, por exemplo, pesquisei as cidades em que o navio faz parada e vi que eram todas super tranquilas, mas em algumas ilhas do Caribe ou Bahamas, andar sozinho pode não ser tão seguro assim, então se informe com antecedência. Aqui, mais uma vez o pessoal do Guest Service ou mesmo a central telefônica da Disney, caso queira ir com isso já resolvido, podem ser bons aliados para tirar qualquer dúvida.

Se você estiver inseguro entre agendar um passeio num porto de parada com uma empresa terceirizada ou diretamente com Disney por causa do valor, invista na sua tranquilidade e agende com a Disney. Tenho certeza que existem inúmeras empresas idôneas que oferecem passeios, mas é mais fácil sair de uma cilada estando em um grupo do que sozinho, não é?

Reserve uma atividade que você sempre quis fazer

Os cruzeiros são por si só um investimento alto, se colocar na conta a passagem aérea e os passeios, pronto, a conta já ficou altíssima, quase proibitiva.

De qualquer forma, você está de férias e sozinho, enfrentando seus medos, se dê crédito por isso e marque uma atividade que te deixe empolgado e ansioso para que ela aconteça! O cruzeiro é uma experiência que para a maioria das pessoas não dá pra repetir sempre, então faça valer o momento.

O cruzeiro da Disney é cheio de oportunidades de experiências – aula de mixologia, um jantar ou um brunch em um restaurante só para adultos, como o Palo ou o Remy, uma degustação de bebidas, uma massagem ou tratamento no Spa, as opções são diversas e variam de acordo com o navio e o destino.

Brunch do Palo, restaurante exclusivo para adultos.

Para cruzeiros pelas Bahamas ou Caribe, sem dúvidas minha escolha seria uma refeição diferente (comida, sempre!) ou uma massagem no Spa, uma vez que independente de agendar um passeio pago, os portos de parada são por si só uma atração, afinal são praias paradisíacas. No caso do cruzeiro do Alasca, minha dica é: invista cada centavo disponível no seu orçamento nos passeios! Eles são sem dúvidas o maior gasto extra da viagem, e se pergunte, quando você estará de novo no Alasca?

A minha escolha de gasto na viagem, o passeio da geleira.

Na dúvida entre ir ou não, depois de ler o diário de bordo da Rê, optei por me dar de presente o passeio de barquinho até bem perto da geleira Dawes Glacier. Contei os dias para esse passeio chegar, fiz pensamento positivo para ter um dia de céu azul e quando o dia chegou, acordei as 5 da manhã de tanta ansiedade. Resultado: sem sombra de dúvidas, um dos dias mais emocionantes que já vivi, e uma experiência que eu nunca mais vou esquecer.

A cara de alegria não nega que valeu a pena!

Durante o passeio, aproveitei que estava sozinha (aí, mais uma vantagem!) e quando o barco chegou bem perto da geleira, me libertei de toda a vergonha e chorei.”Nossa Bia, mas você chorou por ver gelo?” Pois é querido leitor, chorei. Chorei de emoção.

Dica extra: e as fotos?

Fotos em viagens não são um drama apenas dos millennials, todo mundo quer guardar lembranças fotográficas bonitas de uma viagem especial como um cruzeiro, e não apenas selfies. Admito que uma das coisas que me deu uma leve preocupação em viajar sozinha foi “quem vai tirar fotos pra mim? Nos portos de parada não tem Photopass!”, e a resposta é simples: qualquer pessoa que estiver por perto. 

Nessa hora, é preciso deixar a vergonha de lado e pedir. As chances de uma foto sair incrível são pequenas, pois não é todo mundo que sabe tirar fotos, principalmente com paisagens atrás, mas tente e se a foto não ficou boa, despiste a pessoa e peça novamente para outro. Eu sempre procuro pessoas com câmeras profissionais em mãos, porque penso que as chances deles saberem operar uma câmera é bem maior do que uma pessoa tirando fotos com o iPad.

Você pode acabar com fotos ruins, ou com fotos como a abaixo, que hoje está num porta-retratos na minha sala! 🙂

Deixe a vergonha em casa, peça para alguém tirar fotos pra você!

Além disso, não ter alguém pra tirar fotos suas o tempo todo, ou ter que tirar fotos para alguém o tempo todo, te faz curtir ainda mais a experiência e observar mais a paisagem e cada detalhe.

Como a Rê já contou aqui no post sobre o Preço do Cruzeiro da Disney e o que está incluído (clique aqui), a Disney Cruise Line oferece um pacote de fotos no estilo do Memory Maker dos parques de Orlando, mas o preço é alto e os fotógrafos não estão nos passeios nos portos de parada (exceto na ilha da Disney, Castaway Cay). Pra mim realmente não faria muito sentido, então entenda se vale a pena pra você investir ou não nisso.

Dica Extra: Cruisin’ Solo

O aplicativo da Disney Cruise Line é um super aliado durante o seu cruzeiro, ali você vai encontrar:

  • Horários de todas as atividades que acontecem no navio
  • Seus agendamentos
  • Cardápios dos jantares rotacionais
  • Vavoritar os eventos de seu maior interesse para garantir que não vai perder nada.

Assim que embarquei no meu cruzeiro sozinha, filtrei para que o aplicativo me mostrasse apenas as atividades para adultos, e foi quando vi o tal do “Cruisin’ Solo“. A descrição diz tudo: solteiro, mãe/pai solteiro ou viajando sozinho? Junte-se aos funcionários do cruzeiro para um almoço informal.

Aliás, vi que eles tinham não só a opção de almoço em grupo no buffet do Cabana’s, como o do encontro para um cafézinho no Cove Café. 

A dica do Cruisin Solo não vale só pra quem está viajando sozinho, mas para qualquer adulto afim de bater papo e conhecer pessoas, ou mesmo uma refeição com companhia. Não fosse eu uma pessoa muito introvertida, com certeza teria sido uma ótima oportunidade de conversar com pessoas diferentes. 

Na dúvida, vá!

Esse cruzeiro, além de tudo, foi uma oportunidade para me conhecer melhor e reconhecer que não existe companhia melhor que eu mesma! Adoro viajar com outras pessoas, claro, mas percebi que posso sim viajar sozinha para destinos em que ninguém quer ou pode me acompanhar. 

Imagina se a dúvida me tivesse feito perder esse pôr do sol?

O saldo foi mais que positivo: 6 livros lidos, nenhuma nova amizade feita, algumas fotos ruins e algumas boas, muitas lembranças inesquecíveis e a vontade de inspirar outras pessoas a tomarem coragem para planejar um cruzeiro e viajar sozinhas!

Espero poder ajudar a dar um empurrãozinho em quem tem vontade de fazer uma viagem de cruzeiro, mas acaba não indo por falta de companhia. Se você ficou com vontade de fazer uma viagem como essa, no VPD Travel você encontra nossos preços e conta sempre com todo o nosso suporte! 🙂