Além dos Parques

iFly Orlando: simulando salto de paraquedas

Sempre que dirigia pela I-4 em Orlando, em certo ponto perto da Universal eu notava uma torre engraçada, que mais parecia uma caixa d’água. A Re me falou que sempre queria ir lá, quando era pequena mas a mãe dela não deixava. Então um dia desses, nós resolvermos ir conhecer a atração que fica dentro dessa torre, o iFly Orlando.

O iFly é um simulador de salto de paraquedas, que nasceu há quase 20 anos para o treinamento e prática do pulo, sem ter que gastar muito dinheiro no equipamento a cada vôo. Desde então, o espaço também passou a ser utilizado para treinamento militar e como quase tudo em Orlando, para a diversão de turistas 🙂

Quem já reparou no iFly quando estava andando pela International Drive?

Quem já reparou no iFly quando estava andando pela International Drive?

 

Em Janeiro fomos conhecer a atração e experimentar saltar nesse túnel de vento gigante. Nós curtimos muito a experiência e contamos abaixo todos os detalhes.

Como funciona o iFly Orlando?

Fazer o salto dentro do iFly não é nenhum bicho de sete cabeças. Depois de comprar o pacote de vôo, que detalhamos mais pra frente nesse post, você senta junto com o seu grupo a espera do seu instrutor chamar todos para a sala de equipamento.

Essa sala fica no topo da torre de vôo. Lá, cada um recebe um macacão, um capacete, óculos de proteção e um par de protetores auriculares – o equipamento já está incluído no valor do vôo. É também obrigatório o uso de sapatos fechados, então deixe as sandálias no hotel. Nessa mesma sala, ficam os armários para você guardar qualquer tipo de objeto pessoal, incluindo câmeras.  Por esse motivo, as fotos desse post ou foram tiradas antes/depois do nosso vôo, ou compradas posteriormente.

i-fly-orlando-simulador-voo-ifly-05

Devidamente equipados e prontos, todos vão para uma pequena sala de treinamento e em cerca de 20 minutos, o instrutor passa um vídeo com o procedimento do salto e depois ensina a todos, as 3 posições básicas para serem utilizadas durante o vôo.

O treinamento é todo em inglês, mas como o vídeo e as simulações feitas pelo instrutor são todas muito ilustrativas, mesmo quem não fala o idioma consegue entender bem as orientações. Existem instrutores que também falam espanhol, então se você ficar mais seguro recebendo as orientações em espanhol ou portunhol, é só avisar na recepção.

Após o treinamento, todos descem para a “área de embarque”, que fica em uma espécie de aquário ao lado do túnel de vento. Um a um, os participantes vão entrando junto com o instrutor para fazer o vôo. Quem não for participar, pode ficar do lado de fora da área de embarque, onde as fotos são liberadas – e não paga nada para ficar ali não ok?

i-fly-orlando-simulador-voo-ifly-03

Chegando, você faz “check in” nessa casinha e segue para o “tubo”.

Em relação as restrições, o iFly não permite o vôo para crianças menores de 3 anos e para gestantes. O local também desaconselha pessoas que tiveram fraturas e deslocamentos na coluna e pescoço a fazer o vôo. Por outro lado, portadores de necessidades especiais podem participar na maior parte dos casos, mas é claro que depende de uma avaliação de segurança feita pelo instrutor.

Como é voar no iFly?

Nessa primeira vez, fizemos o vôo mais básico, o que você fica de barriga para baixo, chamado “belly fly”. Depois de mais tempo de saltos, você pode pedir para ser treinado nos dois tipos mais complexos, o de costas (back fly) e sentado (sit fly).

No treinamento aprendemos 3 posições básicas para o vôo de barriga, que acredite ou não, influenciam muito como você ficará estável durante “o salto”. São elas: pernas esticadas, pernas dobradas e queixo para o alto. O instrutor vai pedir para você se posicionar usando sinais com a mão esquerda e aos pouquinhos, vai te ajustando para que você consiga aproveitar mais a experiência. Mas fique tranquilo, pois não tem nenhum mistério e todo mundo aprende rapidinho.

i-fly-orlando-simulador-voo-ifly-04

Ilustração dos diferentes tipos de vôos que você pode experimentar no iFly.

Antes de nos vestirmos, o instrutor nos deixou um tempinho olhando outro grupo saltando, o que deu uma animada em alguns e uma amedrontada em outros. Aqui, me reservo no direito de não divulgar qual era o meu sentimento antes do vôo, mas vocês podem imaginar que era de muita coragem, bravura e de aventura, ok?

No pacote que compramos, o “Earn Your Wings”, cada um tinha direito a 2 vôos de 1 minuto cada. É muito rápido, mas esse é o pacote mais básico que o iFly vende na unidade de Orlando e como era a nossa primeira vez por ali, resolvemos comprar esse mesmo.

Chegada a hora do vôo, o instrutor te ensina a entrar no túnel de vento e dai você começa a sentir como cada posição que ele explicou anteriormente, é importante para você ficar parado no ar e não sacudindo pra cima e para baixo. É difícil explicar com palavras como é voar no iFly, então vejam o video abaixo para sentir um pouco da emoção.

Mais do que força, é preciso se concentrar para tentar manter os braços alinhados com a cabeça e não curvar tanto as costas. Depois de alguns segundos dentro do túnel, o vôo vai ficando mais fácil e divertido.

Quanto custa o iFly?

Existem vários tipos de vôos, dos mais básicos, aos mais experientes. Vou colocar aqui o preço dos vôos básicos, que são aqueles que como no vídeo acima, a gente faz com a barriga para baixo. Se você quiser fazer vôos mais complexos, pacotes para grupos ou até uma festa de aniversário lá dentro, os preços ficam no site oficial.

  • Earn Your Wings – $59.95 dólares por pessoa: dá direito a 2 vôos de 1 minuto cada.
  • Spread Your Wings – $99.95 dólares por pessoa: dá direito a 4 vôos de 1 minuto cada ou a 2 vôos de 2 minutos cada.
  • Spread Your Wings for Two – $129.95 dólares para duas pessoas: é o pacote de cima que pode ser dividido por 2 pessoas e dá direito a 4 vôos de 1 minuto cada ou a 2 vôos de 2 minutos cada. Além disso ele incluí um DVD com os vídeos dos vôos.
  • Family Pkg – $269.95 para até 5 pessoas: é o mesmo pacote que pode ser compartilhado para até 5 pessoas em um total de 10 minutos de vôos, divididos em seções de 1 ou 2 minutos além de incluir o DVD.

    Enquanto você está dentro do tubo, fica vendo na tela quanto tempo ainda tem de vôo.

    Enquanto você está dentro do tubo, fica vendo na tela quanto tempo ainda tem de vôo.

Vale a pena ir no iFly?

Deu pra perceber que eu e a Re curtimos muito o salto no iFly, mas eu não recomendo a experiência para quem vai a Orlando pela primeira vez e vai ficar poucos dias. Na minha opinião, os parques são experiências mais “memoráveis”, mas claro, gosto é gosto e cada um tem o seu.

Vale dizer que eu acho o iFly bem caro para apenas 2 minutinhos de vôo e para os mais corajosos, um salto de paraquedas de verdade em Cape Canaveral (a 1 hora de Orlando) é mais emocionante – além do fato de que lá é um dos pontos mais altos do mundo para o salto.

Enquanto você espera para subir na torre onde o treinamento acontece, pode ficar assistindo o vôo dos outros.

Enquanto você espera para subir na torre onde o treinamento acontece, pode ficar assistindo o vôo dos outros.

Além disso, se você for para outros lugares dos Estados Unidos/Canadá durante a sua viagem, pode preferir ver se tem iFly nesses locais também. Segundo o nosso instrutor, o tubo de Orlando é um dos mais antigos e mais lentos. Logo, para quem quer mais emoção e já estiver com plano de visitar alguma outra cidade com iFly, pode ser uma boa idéia. Veja a lista de cidades aqui. Como a gente queria ficar por Orlando mesmo, a experiência foi bem legal e valeu a pena.

Para crianças em especial, acho uma experiência bem diferente e divertida. A gente viu muitas crianças se divertindo demais lá dentro. Para elas é uma super aventura e para os pais, existe a tranquilidade de ser um ambiente controlado e com instrutor o tempo todo.

Esperamos que também gostem se tiverem chance de conhecer. E quem já conhece o iFly, não deixe de compartilhar sua opinião com a gente ai embaixo.



O Vai Pra Disney é um blog independente e não é um canal mantido pela The Walt Disney Company. As informações contidas nesses sites representam a opinião de seus autores, colaboradores e usuários. Walt Disney World Resort, nomes e logos são marcas registradas da The Walt Disney Company.